sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Não quero saber de não sei
Tão pouco de pode ser
Sem essa de talvez
Não me venha com "sei lás"
Não sou do incerto
Gosto do concreto
Mesmo que irreal
Porque a realidade eu que invento.
Essa verdade que eu crio
Me satisfaz
Então eu quero um sim
Se for um não também aceito
Reluto, mas aceito
Só não me aborreça com talvez...

Débora Borsatti

15 comentários:

William disse...

É errado ser certo, ou é certo ser errado?
Certo sim, seu errado!, já dizia a velha música do Casa das Máquinas.
Bom final de semana.

Arianne Carla disse...

Que belo avesso! Um encanto seu blog, Débora! Parabéns.

ADILSON JORGE disse...

Adorei seus poemas. Parabéns!

Esse, me lembrou o "Lisbon Revisited", do Fernando Pessoa (Álvaro de Campos).

"NÃO: Não quero nada.
Já disse que não quero nada.
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.

Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!"

Abraços
http://www.ceucaindo.blogspot.com/

Tatiana disse...

é complicado exigir certezas de todos. Não temos certeza de nada. Não sabemos o que podemos esperar concretamente de nada nem de ninguém. Mas satisfazer essa ilusão de certeza faz bem praqueles que são frágeis e não se relacionam bem com o inusitado, o inesperado o talvez..
__
http://coracaoonline.blogspot.com/

Vrilbert Dark disse...

Lindo e profundo essa poesia, gostei dela, adoro ler textos desse tipo *-*

Clube do Filme disse...

Bem escrito.. "Talvez", "Quase" e "Se", são sem duvida perturbadores..

Rodrigo Moraes disse...

Curti teu poema,
poesia ou esquema.
Mas para mim não é um problema,
Elogiar o texto desta pequena!

Abraço!

Sandro Batista disse...

Como eu queria ser co-autor desse poema... Você traduziu exatamente como eu sou... Não sou morno... Não sou meio.. Não sou dúvida... Eu gosto da certeza, do inteiro, e do quente ou do frio... Acho que é assim que todas as pessoas deveriam ser: afirmações, não importa quais forem, mas sempre afirmações.

http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

Lillo Dogmez, o licantropo. disse...

Aaaah... as dúvidas do amor. Realmente o talvez é a pior opinião que alguém pode ezpressar. Ótimo texto. Me deu vontade de seguir seu blog. Em breve vai ter um lobisomem sondando suas idéias. Abraços.

Eguez disse...

Muito bom. Eu tambem nao quero saber de "talvez" :)

Isabela VN disse...

Gostei viu (: :)
www.vitaminadepapel.blogspot.com

Leonardo Nurnberg disse...

Muuuito bom! Odeio incerteza tbm.

http://semvergonhanacara.blogspot.com/

Isis disse...

Adorei seu texto! Mto bacana o blog! Visite me depois!


bjs

http://fofurisis.blogspot.com/

Isis

Karla Hack dos Santos disse...

Um encanto sua forma de brincar com conceitos!

Parabéns!

;D

barbaranonato disse...

Ficar em cima do muro é covardia. Prefiro o sim ou o não rasgados na minha cara que um talvez ou qualquer outra expressão incerta.
Adorei!