segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Aparências

As unhas vermelhas
E o salto agulha
Inspiravam confiança
O cabelo obsessivamente arrumado
E a maquiagem de perfeito desenho
Demostravam segurança
O perfume adocicado e forte
E a roupa discreta com um toque provocante
Exalavam requinte
A fala firme e direta, porém de tom delicado
Passava equilíbrio
O olhar atento aos olhos alheios
Captava intenção
O andar de passos largos e certeiros com gingado feminino
Espalhava sensualidade
O rosto pálido e desnudo
Que procurava-se no espelho do banheiro
O pijama solto e confortável
Os pés acomodados no macio chinelo de pano
Os olhos cansados de fingir
Os cabelos presos sem exímio cuidado
Na solitária noite de sábado
Imploravam por amor

Débora Borsatti

21 comentários:

ramanavimana disse...

bonito poema, bastante inspirador.


Grande abraço.

cartasbreves disse...

Poema lindo e a descrição de uma mulher fatal, mas vulnerável ficou na medida certa.

Parabéns pelo blog. *-*

Lucas disse...

A mulher é algo indecifrável.
Talvez seja por isso que eu goste tanto dela...
Poema que revela o desejo, determinação e o "eu" de uma mulher...
Muito massa;.
Parabéns

Smoker Sam disse...

Muito bom o poema
o blog simpático

Parabéns...

Daniela Eguez disse...

que lindo, gostei. MUITO BOM MESMO. Parabens!

J. disse...

Gostei!

Imaginei. As vezes nem é pra entender um poema, é só pra observar um sentimento, uma brisa.

se tiver afim, passe no meu :)
http://cafeecigarretis.blogspot.com/

barbaranonato disse...

Sensualidade e a fatídica carência afetiva que, involuntariamente, se descortina em todas nós mulheres, juntos e em perfeita sintonia. Muito bonito! Gostei.

Bob rootS (Os Botequeiros) disse...

vc faz parte da minoria que escreve bem mais naum tem um layout que chama a atenção, que traduz suas palavras em imagens, só falta isso e vc vai longe.

JoyJoy disse...

Vc está retratando alguma bipolar? rs... Parece! Tem uma decadência do começo ao fim do poema. Interessante :)

Parabéns!!
joicerodrigues.zip.net

Lillo Dogmez, o licantropo. disse...

todos estão carentes de amor. BELO TEXTO.

Débora Borsatti disse...

Já estava mesmo pensando em dar uma mudada no layout daqui, vou começar trocando a foto, quando tiver mais tempo ajeito o resto...rsrs
Obrigada pelos cometários e sugestões, sempre bem vindas!
Abraço a todos!

Arianne Carla disse...

Tanto sentimento e poder de descrição é incrível! Incrivelmente intenso! Seguindo, com toda certeza.

Leandro Danúbio disse...

É minha amiga, quando acaba a noite, todo mundo volta a ser "Comum", que texto belíssimo me prendeu do comeo ao fim...

Gostei muito do seu blog... e adorei a pintura do título...

Inez disse...

Lindo, adorei seu poema.
Fala sobre a mulher que tem de mostrar segurança, delicadesa, firmesa, enfim a mulher trabalhadora, executiva, bem sucedida, porém na solidão de seu quarto sente o peso de tudo isso.

Nicelle Almeida disse...

Tantas vezes n somos exteriormente tudo aquilo que somos em nosso interior.

Sorrir quando se quer chorar...aparencias. Elas estao presentes na vida de todos.

Adorei o poema e tb o seu blog. Estou te seguindo.

Me visita e me segue tb?

Te espero lá ;)

www.nicellealmeida.blogspot.com

Jac Bagis disse...

muito inspirador, lindo!

http://seenovidadeeuquero.blogspot.com

Jeh Pagliai disse...

Adorei!
Realmente, é assim que algumas mulheres se vestem, para a guerra de encontrar um amor!

Beijinhos

---
www.jehjeh.com

Lisa disse...

amei
ja estou seguindo
da uma passadinha no meu

abraçoooo.^^

Rogerio disse...

belo poema...muitas pessoas se sente como seu testo...varias passam por isso...

@marcosvolk disse...

O retrato de mulher que gosta de se produzir bastante... mas que no final pareceu que não se produziu nada do que citado no começo do poema. Hum, eu gostei.

♫ Angélica ♥ Kawai ♪ disse...

parece o inicio daquelas comedias romanticas... belo poema.