quinta-feira, 23 de julho de 2009

A nova antiga realidade...

Nova realidade agora
Como se adentrasse o portal de uma outra dimensão
Metamorfe celular, corpo, pensamentos, paladar...
Como se um outro eu surgisse
Que, no entanto sempre estivera lá
Olhar renovado
Razão perspicaz
Paixão serena, jamais imaginada
Agora absurdamente possível...
E o novo mundo,
Que de imediato tanto assustara,
Começa a ajustar-se à alma
Como a forma de um sapato novo que
Apenas precisa de uso para acostumar no pé...
Débora Borsatti

23 comentários:

mijeiderir disse...

muito bom o poema!

ele é seu?


abraços


Mijei de Rir - Alegria e diversão!

Flá Romani... disse...

Lindo, sinistro..... intrigante, gostei

Tiago Dadazio disse...

estao refazendo o passado!

BRUNO disse...

Ótimo poema. É muito simples nos adaptarmos a uma nova "realidade"; cabe anós somente não acostumarmos demais com ela e cair na inércia. Lindo! Parabéns!

Marton Olympio disse...

Pois é.
Disse tudo.
Se adaptar a outra pessoa é como calçar aquele sapato novo.
Para onde ele vai te levar?
Onde lhe apertarão os calos?
Onde vai aparecer o primeiro furo??

parabébs pelo post.


http://martonolympio.blogspot.com/

Se gostar, Vote no TOP BLOG. :)
Estamos entre os cem mais votados!

Wellington disse...

Caramba poema legal! Continue praticando! =D Grande abraço!

http://neowellblog.wordpress.com/

Léo disse...

muito bom o blog! ParabensSS!


www.videoaulas2009.blogspot.com

Gabriella Chame. disse...

"Como a forma de um sapato novo que
Apenas precisa de uso para acostumar no pé..."

perfeito!

Jhonny Rodrigues disse...

Muitoo bom o blog!


Http://jhowncarros.blogspot.com

Tiago Dadazio disse...

aiii
aiii
vamos pra passalargo!

Euzer Lopes disse...

Leno esse poema me fez lembrar as inúmeras transformações pela qual passamos ao longo de uma vida.
Seja por um emprego que se arruma, ou se perde. Seja por um amor que começa, ou termina. Seja por um ente querido que se vai, ou outro que nasce...
Sempre nos ajustamos às circunstâncias.
E, invariavelmente, sempre conseguindo tais ajustes

Anderson Cavalcanti disse...

lindíssimo.
adorei!

luiz scalercio disse...

bellissimo poema prbns seu blog

Idealistas disse...

perfeito,inteligente,criativo!
se puder,visite:
http://pensamentossubentendidos.blogspot.com/

Fabricio bezerra da guia disse...

não sei se esse poema é seu,mas mesmo assim parabens

Débora disse...

É meu sim, obrigada!

Fabricio bezerra da guia disse...

já comentei aqui,vou comentar em outra postagem

seuvicio disse...

Como um tempra, na época q saiu...

Marcelo Ribeiro disse...

Belo poema, não é preciso ser longo para ser bom. Aliás, o blog é bom mesmo... Beijão!!!

Mitti disse...

Oi Debora!
no meu blog tb digo que sou uma metamorfose ambulante!

belo texto!

Mikaela disse...

o poema eh seu`? me lembrou uma musica =)
http://cotiday.blogspot.com/

Arthur Alves de Araújo França Castanheira disse...

muito boooooooooooooooom :*

Blog lolcos disse...

Legal, escreve bem parabens!
até mais